segunda-feira, março 31, 2008

Falta moderação ao site da Veja, diz Nassif

No embalo do post de ontem, onde comento a iniciativa da CNN de lançar um site que questiona a necessidade de uma mediação jornalística, vale ler a opinião de Luis Nassif sobre o jornalismo praticado nos sites da editora e, em especial, da Veja. O catalizador é Reinaldinho Azevedo, o inimigo número da blogosfera política brasileira.

Um trecho:

Esse é o padrão de jornalismo digital da Veja, que a Abril não tratou de moderar até hoje. A Editora continua sem rumo, sem controle sobre sua principal publicação, permitindo que as páginas do seu portal sejam invadidas por um padrão que não se encontra nem em regiões de baixo meretrício.

Com a Internet, a Abril se expõe perante o mundo. Qualquer cidadão, de qualquer parte, que quiser analisar a Veja, terá à sua disposição arquivos do mais fétido jornalismo.

4 comentários:

mariana disse...

Olá, Carlos, como vai? Sou sua nova aluna da pós em Projetos Editoriais da UNA. Gostei mto do seu Blog, pois acredito no poder que a internet tem para, quem sabe, fazer com que jornalistas e consumidores da informação possam se tornar mais críticos com que escrevem e lêem. Faço parte de uma equipe de jornalistas e comunicólogos que criticam a imprensa de Uberaba, cidade onde morei um bom tempo. O endereço é http://sensoura.blogspot.com

Nos vemos na próxima aula. Abraços, Mariana.

Carlos d'Andréa disse...

Oi, Mariana, obrigado pela visita e pelo link. Muito interessante a proposta do Senso Crítico. Espero que colabore para o avanço da imprensa local. Vou acompanhá-lo. Abs, Carlos

Adriana Rolin disse...

A moderação é algo intrigante e polêmico. De certa forma, empreendedora. Porque contrata estagiários sem custo algum; adquirindo assim um número altíssimo de visitas e conquistando público que antes não era o alvo. Porém, como eu, sendo estudante de jornalismo posso concordar com esse novo padrão de blog? Estudo à 3 anos e agora vejo o avanço da tecnologia, que permite qualquer usuário programar, policiar, decidir o que é importante, o que é notícia, tornando-o repórter, mas dessa vez, sem o diploma.

Carlos d'Andréa disse...

Oi, Adriana, a fórmula não é tão simples assim. Blogs, estágiários, diploma de jornalismo, moderação...

Concordando ou não, este é o modelo em construção. Fique tranquila, jornalistas contunuarão existindo. Aproveite os últimos períodos da faculdade para entender e participar esta dinâmica!

Volte sempre, abs,
Carlos