quinta-feira, novembro 29, 2007

(BH) As Relações Públicas no Cenário Social

“Inserção e Diversidade para a Co-Responsabilidade - As Relações Públicas no Cenário Social” é o evento que o Conselho Regional de Relações Públicas está organizando durante todo o dia 04 de dezembro, terça-feira, para comemorar o Dia Nacional das Relações Públicas. As palestras acontecem no INAP - Instituto de Arte e Projeto e é necessário inscrever-se antes pelo site.

Às 19h estarei por lá, ministrando a palestra Tudo e todos conectados: os novos modelos para a comunicação institucional.

(O dia do RP, na verdade, é 02 de dezembro, domingão...)

terça-feira, novembro 27, 2007

(BH) Palestra Ethevaldo Siqueira

O jornalista do jornal Estado de S. Paulo, especializado em comunicação e autor do livro "2015 - Como Viveremos", ministra a palestra de encerramento do I Seminário Mineiro de Recursos Humanos em Tecnologia da Informação, que acontece nesta quinta, 29 de novembro.

As inscrições gratuitas devem ser feitas no site da Assespro.

sexta-feira, novembro 23, 2007

Livros, a última fronteira da convergência?

Cada um em um momento e com intensidades diferentes, a indústria fonográfica, os jornais impressos, as revistas, as emissoras de televisão e rádio, todos foram impactados pela digitalização de seus produtos.

Falta, ou faltava, a última fronteira: o mercado editorial. O lançamento do Kindle, um novo leitor digital de livros, agitou o mercado esta semana. O "ipod dos livros" foi logo considerado um marco na indissociável relação entre publicações e papel.

O produto da Amazon tem uma tela de 6 polegadas (que não brilha com outros displays) e conexão sem fio à internet, permitindo receber, através de assinaturas, o conteúdo de jornais e revistas, além de 300 blogs. Armazena até 200 e-books de um acervo de 90 mil títulos à venda (na Amazon, claro) por US$ 9,99 e, infelizmente, com proteção contra cópia (e não suporta pdf!). Preço não muito convidativo, assim como o do próprio leitor: US$ 399 (links adicionais ao final do post).

O dispositivo mais próximo do Kindle acredito que seja o Reader, da Sony, lançado em 2006. Suas principais desvantagens são não ter acesso direto à internet (os e-books precisam ser baixados em um computador) e a compra apenas pela loja virtual da Connect, certamente menor que a Amazon. Custa US299.99, incluindo o download gratuito de 100 e-books.

O lançamento de um novo dispositivo é sempre uma ótima oportunidade para avaliarmos o presente e especularmos (digo, apontarmos tendências) sobre o futuro do setor.

Engana-se quem acha que o hábito de leitura em telas de qualquer natureza estaria desmotivando os leitores a comprar obras impressas. Pelo contrário: os números aumentaram nos últimos anos. A editora norte-americana Penguin, por exemplo, afirmou recentemente que a internet beneficiou as livrarias, funcionando como ferramenta de marketing, experimentação e aproximação com a próxima geração de leitores (que o diga o exemplo da Cauda Longa editorial no Brasil). Para o executivo John Makinson, "muita coisa está acontecendo na indústria musical que não se repete no setor dos livros. Os consumidores não querem álbuns inteiros, apenas faixas. Mas querem livros inteiros, e não capítulos".

A distribuição P2P chegou, mas não abalou as livrarias. Legiões de leitores scaneam e compartilham livros em sites como o Democratização da Leitura, que tem um "acervo alimentado por centenas de colaboradores em todo o mundo". Lançado em agosto no Reino Unido, o livro “Harry Potter and the Deathly Hallows” em horas já estava disponível para download, no que chegou a ser chamado de napsterização do mercado de livros.

Nem isso parece incomodar, ao menos os autores. Em artigo recente, Nelson Motta afirmou: "meus editores vão ficar de cabelos em pé, mas, por mim, colocava o texto completo de meu novo livro na internet, um mês depois do lançamento, sem medo de ser feliz". Além disso, a internet ajudou jovens escritores a praticarem a escrita, lançarem-se para o público e, depois de algum tempo, ganharem o mercado editorial com obras impressas.

The future of books, reportagem de março de 2007 da revista The Economist, apresenta uma interessante diferenciação entre os genêros literários. A digitalização está trazendo o mesmo impacto para obras de ficção, não-ficção, poemas, enciclopédias? Claramente, não.

Faltariam antes suportes de leitura portáteis adequados às características de um livro? Uma tela tradicional jamais atraiu ninguém para uma leitura prazeirosa. Para se criar um documentos txt e ler num ipod, então, há de se estar muito interessado no tema (e "bem das vistas", como se diz no interior).

Papo para outros (longos) posts.

Leia ainda: The Future of Reading (Newsweek) e E-paper comes alive (Technology Review)

terça-feira, novembro 13, 2007

A importância da banda larga

Há menos de um mês do lançamento da esvaziada TV Digital Terrestre brasileira, Carlos Castilho escreveu que A banda larga é muito mais importante que a TV Digital. A discussão foi levantada porque está prevista para até o dia 12 de dezembro a decisão de se instalar ao menos um terminal de banda larga em todos os municípios brasileiros.

Talvez seja mais fácil afirmar que só existirá efetivamente uma TV Digital com acesso complementar à banda larga. Caso contrário, teremos avanços meramente incrementais, como a alta resolução ou o número de canais, sem a tão falada interatividade, que exige um canal de retorno (a internet parece ser o melhor suporte para essa via de mão dupla).

Para se ter dimensão da importância da conectividade, vale acompanhar o site mantido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, o OECD Broadband Portal (em inglês), que traz dados sobre preços, velocidade de acesso, uso domético e empresarial da banda larga.

Lá é possível saber, por exemplo, que o número de assinantes de banda larga entre os 30 países membros da OECD cresceu 24% entre junho de 2006 e 2007, alcançando 221 milhões de assinaturas, o que significa um índice de 18.8 assinaturas para cada 100 habitantes (fundamental lembrar que uma assinatura, quase sempre, atende mais de uma pessoa). Os EUA lideram disparados, com mais 66 milhões de assinaturas.

No Brasil, a taxa de penetração de banda larga em 2007 está em torno de 3,3% - cresceu 1 ponto no último ano. O serviço de banda larga residencial cresceu 660% no Brasil nos últimos três anos. Segundo André Havro, cresceu o serviço 660% no Brasil nos últimos três anos, mas (como sempre) está concentrado em poucas cidades do país e é viável para uma camada privilegiada economicamente.

Algumas experiências no Brasil são reveladoras. Piraí (RJ) e Parintins (AM) são exemplos de cidade de pequeno porte já beneficiadas pela banda larga sem fio. Entre as grandes cidades, 90% de Belo Horizonte deve ser coberta por redes sem fio no projeto BH Digital.

Atualização em 14/11
a) Governo Federal promete que, até 2010, os 3.570 municípios que ainda não têm conexão banda larga estarão conectados.
b) A cidade de Sud Menuncci, em São Paulo, também oferece conexão wireless gratuita aos seus moradores, avisa Raphael Perret via lista JW.

domingo, novembro 11, 2007

(BH) V Seminários sobre Cibercultura e Convergência Digital

12, 13 e 14 de novembro
9:20 às 11h
Sala Multimeios - Universidade Fumec

Dia 12

Interfaces experimentais homem-máquina: novas possibilidades de comunicação
Marília Bergamo

Narrativas interativas em jogos digitais
Marcos André Kutova


Dia 13

Meta-autores e receptores-participantes na cibernarrativa
Paula Ribeiro

Considerações sobre o objeto tecnológico contemporâneo
Fernando Rabelo


Dia 14

Diversificação das mediações sociais no jornalismo colaborativo
Gabriela Jardim

Digga: a experiência de um site acadêmico sobre Jornalismo Colaborativo
Felipe Torres, Mariana Celle e Ana Paula Condessa

quinta-feira, novembro 08, 2007

Prêmios para projetos e conteúdos de celulares

Atualização: inscrições prorrogadas até 25 de novembro.

Até 19 de novembro estão abertas as inscrições para 3 iniciativas da Telemig Celular, que visa incentivar a produção de conteúdos para celulares.

EDU.MOV oferece prêmios de até R$ 300 mil para projetos educacionais voltados para jovens e através de midias móveis.

Fotos e vídeos produzidos no celular com o tema "Minas Gerais" concorrem ao prêmio de até R$6 mil no IMAGE TAG. Os interessados devem cadastrar-se no site e receberão SMS com tags (palavras-chave) para inspirar as produções.

Games sobre temas livres ou sobre o
Patrimônio Cultural de Minas Gerais podem se inscrever no TELEMIG CELULAR GAMES, que vai distribuir prêmios de até R$ 10 mil.

Dica do Marcelo Sander via WebJornalistasBH.


terça-feira, novembro 06, 2007

Palestra e lançamento F5 - Laboratório de Comunicação Digital


O lançamento do F5 - Laboratório de Comunicação Digital é nesta quinta, 08 de novembro, com a palestra "Saturação midiática: a comunicação digital em busca de novos conteúdos".

O evento, que acontece às 21h no campus Buritis da UNA, conta com a presença de Geane Alzamora (PUC-MG) e Tiago Palhares (Atake - Agência de Comunicação Alternativa).

O evento é aberto ao público e integra a Semana de Comunicação e Artes - Criatividades Curvilíneas.

Mais informações sobre o evento, os convidados e o laboratório no blog f5labdigital.blogspot.com.

Last.fm faz recomendações locais


Não sei se é novidade, mas o fato é que me surpreendi com o e-mail da Last.fm, em português, recomendando, a partir de meu perfil musical, um evento em BH.


Dada a escassez de shows por aqui, há muito eu já sabia deste, mas a divulgação é uma rara iniciativa de uso do cadastro para contatos segmentados.

P.S. - O site do Eletronika enfim está no ar. Passe também pelo MySpace e siga-os no Twitter.

domingo, novembro 04, 2007

(BH) Dia Mundial da Usabilidade 2007

A data é comemorada no dia 08 de novembro e este ano tem programação prevista em cinco cidades brasileiras.

Em BH, acontece a partir das 13h no IEC / PUC Minas, com vários workshops e uma palestra de encerramento de Brian Stone, da Ohio State University.

O link para inscrições será disponibilizado nesta página.