quinta-feira, novembro 30, 2006

PL amplia propaganda eleitoral na TV (por assinatura)


Correção:
o projeto de lei prevê a transmissão da propaganda eleitoral nas TVs Senado, Câmara, Justiça e emissoras das Assembléias Legislativas, mas não nos canais comerciais da TV por assinatura. Falha nossa.

"As emissoras de rádio e de televisão e os canais de televisão por assinatura mencionados no art. 57 reservarão, nos trinta dias anteriores à antevéspera das eleições, horário destinado à divulgação, em rede, da propaganda eleitoral gratuita, na forma estabelecida neste artigo."

Este é o artigo 47 do projeto de Lei
133/2003, votado nesta quarta, dia 29/11, na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados.

Em bom português: querem ampliar a veiculação do bom e velho "horário político" na véspera das eleições também para os assinantes de TV por assinatura.

A proposta já foi encaminhada à Comissão de Constituição e Justiça, de onde segue para o plenário.

Será interessante para as operadoras?

Perderiam audiência, é claro, mas a remuneração prevista pela compra do espaço de programação é, ao menos para as TVs abertas, melhor que a venda de espaços publicitários.

segunda-feira, novembro 27, 2006

Digitalização a passos lentos

Passadas as eleições, aos poucos estão sendo retomadas as discussões sobre a implementação da TV Digital no Brasil. Na última semana foi nomeado o Fórum do SBTVD-T, sob fortes críticas de representantes da sociedade civil, mais uma vez ignorados na composição da instância de discussão.

Na abertura do fórum, dia 23, o ministro Hélio Costa afirma que os primeiros conversores (set top boxes) não darão acesso a qualquer recurso de interatividade (virão sem middleware) e o vídeo não seguirá o padrão MPEG-4. Em suma, a tecnologia será praticamente a adotada no Japão (ignorando as inovações brasileiras) e o conversor será uma antena de luxo para melhorar a qualidade da recepção de TV aberta em aparelhos analógicos.

Devagar, devagar, está quase parando este processo...

quinta-feira, novembro 23, 2006

Sou + Eu: cidadão ou celebridade?

Chega às bancas nesta quinta, dia 23, a nova aposta da editora Abril: a revista semanal “Sou + Eu”. Totalmente produzida pelas leitoras (destina-se ao público feminino), terá tiragem de 850 mil exemplares e apenas 16 jornalistas em sua redação.

A proposta é dar publicidade a produções e idéias de pessoas comuns - a maioria delas certamente interessadas em tornar-se celebridades.

Sorteio de prêmios, votações e envio de sugestões acontecem via SMS ao custo de R$ 0,31 (mais impostos). O gasto extra das leitoras é compensado pelo baixo preço de capa: R$ 1,99.

Uma tabela de preços divulgada pela revista deixa claro que as colaboradoras não serão voluntárias. Três páginas valem R$ 500 e o autor do vídeo mais votado de cada semana leva R$ 300, entre outros valores.

sexta-feira, novembro 10, 2006

Cobertura online

Como anda a cobertura online do sequestro do ônibus 499,em Nova Iguaçu, onde neste momento um desempregado mantém sua ex-mulher como refém?

Neste tipo de evento o público busca informações praticamente em tempo real. O rádio e TVs por assinatura cumprem este papel, mas como os portais da web estão se virando?

Ao meu ver, o UOL está "apanhando". A chamada principal da home sempre remete para uma matéria publicada minutos ou até horas atrás, dando a sensação do algo importante aconteceu e ainda não foi noticiado. Fora que a Folha Online e o UOL em alguns momentos linkaram para matérias diferentes, num claro exemplo de falta de integração entre as redações.

Com seu complexo de mídias, a Globo.com liberou o acesso à GloboNews (tive dificuldades de ver o video, travou o browser, mas na segunda tentativa funcionou). Pior: do Globo Media Center não há links para as matérias em texto publicadas no G1.

Parece-me o Terra achou a melhor opção. Da home abre-se um pop up com vídeo direto da Rede Record, links para galerias de imagens, notícias minuto-a-minuto ("narração") e para informações sobre o trágico sequestro do ônibus 174, em 2000.

quinta-feira, novembro 09, 2006

Uso das TICs no BR

Foi publicada ontem a 2ª Pesquisa Sobre Uso da Tecnologia da Informação e da Comunicação no Brasil. O trabalho realizado pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto br baseou-se em 10.510 entrevistas na zona urbana das cinco regiões do país.

Foram mapeados:

- Acesso às Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC)
- Uso do Computador
- Uso da Internet
- Habilidades com o Computador
- Habilidades com a Internet
- Acesso sem Fio

Os dados podem ser cruzados por região, sexo, grau de instrução, faixa etária, renda familiar, entre outras variáveis.

Sobre os resultados, Rogério Santanna, conselheiro do CGI.br, afirma que, embora o acesso a computadores ainda esteja bastante condicionado ao grau de urbanização, renda e escolaridade, foi identificada uma inclusão das classes B e C, que aumentaram o acesso tanto nos domicílios quanto em centros de acesso público pagos.

Fonte enorme de dados, a pesquisa merece comparações e análises cuidadosas.

Procurarei fazer isso em breve.

Dia da Usabilidade

14 de novembro é o Dia Mundial da Usabilidade.

Em BH, o evento comemorativo acontece no IEC/PucMinas a partir das 14h30. A programação se estende por outras cidades brasileiras.

Dica do cc, um dos organizadores e palestrantes.

sexta-feira, novembro 03, 2006

Blog jornalístico segundo Noblat

"No blog, não. Você não pode dizer que outra pessoa apurou, o diagramador pôs no lugar errado ou o editor titulou mal. É você e pronto. Seus erros são seus. (...)Você tem que admitir que errou no post seguinte ou em algum outro post, e deixar o erro ali exposto".

"No blog você pode misturar todos os gêneros jornalísticos. Num mesmo post posso dizer que o Lula ganhou a eleição, porque que ele ganhou e em seguida dar minha opinião. Tudo isso numa mesma nota".

"É um jornalismo de autor. O blog tem o seu nome, a sua cara e as pessoas querem te reconhecer ali – quer elas tenham afinidade com você ou não".

"Blog não dá para terceirizar. É um instrumento muito pessoal de emitir informação. Você pode ter pessoas que te ajudam na apuração, mas na hora de escrever é o seu jeito, é o seu estilo, o seu modo de ver a coisa".


Estes são alguns trechos da entrevista de Ricardo Noblat à mestranda da PUC-Rio Larissa Moraes. Leia!

quinta-feira, novembro 02, 2006

Jornais gratuitos

Modelo ainda incipiente no Brasil, os jornais de distribuição gratuita já consolidaram-se na Europa, onde circulam diariamente 24 milhões de exemplares, ou 20% da tiragem do continente.

Para o jornalista e blogueiro Juan Varela, do blog Periodistas 21, esta é uma mídia de vanguarda: "los gratuitos han sido un motor de cercanía al lector, rejuvenecimiento, utilidad de la información, apuesta por diferentes ritmos de lectura y mejora del formato y el color".

O trecho está num relato do blog sobre uma das jornadas que reúnem empresários do setor, quando foram apontados "tres elementos fundamentales para el futuro de la prensa gratuita, diaria o con mayor periodicidad, generalista o zonal: calidad, distribución e internet".