domingo, outubro 29, 2006

E-mail em xeque

Precisamos de e-mail?, longo post do MeioBit, mostra como o e-mail, frente a ferramentas mais novas como comunicadores instantâneos, voip e redes sociais, está perdendo importância no dia-a-dia dos usuários.

Estou terminando um longo artigo acadêmico que exemplica esta mudança de hábito, entre várias outras. Pretendo linka-lo aqui.

Atualização em 01/11 - E-Mail is for Old People é o título de reportagem do jornal The Chronicle of Higher Education, que mostra como os adolescentes e jovens estão abandonando o uso do e-mail em prol de ferramentas como MySpace. O tradicional correio eletrônico é usado só em situações formais e para se comunicar com pessoas mais velhas. Uma referência para a reportagem é a pesquisa Teens and Technology, realizada em 2005 pelo Pew Internet & American Life Institute.

A dica veio na lista do prof. Aldo Barreto (IBICT), exponte da área de Ciência da Informação e editor da revista DataGramaZero.

quarta-feira, outubro 25, 2006

Nassif se rende à Nova Era da Comunicação

Em seu blog hospedado no IG, o jornalista Luis Nassif reproduz sua coluna econòmica com o forte título de A Nova Era da Comunicação, onde conclui que "as eleições de 2006 marcam definitivamente o fim do poder absoluto da grande mídia sobre o mercado de opinião brasileiro".

A análise traz poucas informações novas a um leitor mais conectado, mas representa uma interessante postura de um profissional de peso recém-incorporado à ferramenta blog. Aliás, está dando o que falar o que me arrisco chamar de "segunda geração" de jornalistas da grande mídia que aderiram aos blogs, como Paulo Henrique Amorim, Mino Carta e o próprio Nassif (a primeira geração, evidentemente, tem como ícone o blog do Noblat).

A dica do link veia na lista Blogosfera, por Sérgio Lima.

segunda-feira, outubro 23, 2006

Orçamento Participativo via internet

Após 13 anos de implementação, o Orçamento Participativo da Prefeitura de Belo Horizonte exibe números de impacto: mais de mil obras foram escolhidas e executadas no período, num gasto de U$ 170 milhões.

Uma característica, no entanto, sempre foi o ponto fraco da proposta: as discussões e votações em cada regional não seriam de fato representativas, pois atrairiam um público restrito, mobilizado por questões políticas ou por um interesse pessoal na aprovação de uma obra. Uma parcela significativa dos moradores estaria voluntariamente alienada do processo e distante das discussões de interesse público.

A nova proposta da PBH, supreendentemente inédita no Brasil, abre espaço para aqueles que, em diferentes escalas, migraram para outros ambientes de organização social: os usuários de internet.

No Orçamento Participativo Digital, entre 01 e 30 de novembro qualquer eleitor residente em BH (o título eleitoral será o documento exigido) poderá escolher uma das quatro obras listadas em cada regional.

Para quem não tem fácil acesso à internet, a Prefeitura oferece os equipamentos das escolas municipais, telecentros comunitários e de uma carreta com salas de aula e computadores.

É um início muito promissor para a democracia direta assumir a faceta digital alardeada por Pierre Levy e outros estudiosos com tendências futuristas.

Eleições, Globo e Blogs

O blog Global Voices Online, que monitora os debates travados na blogosfera em todo o mundo, publicou um excelente resumo da repercussão da briga entre a Rede Globo, acusada de direcionar seu noticiário às vésperas do 1o turno das eleições, e uma significativa fatia da imprensa nacional, liderada pela revista Carta Capital, que esta semana publicou a segunda capa consecutiva sobre o tema. The Media Empire Bows to Blogs é o post de Jose Murilo Junior.

E a discussão continua, via blogs: no Conversa Afiada, Paulo Henrique Amorim questiona declaração oficial da Globo de que a emissora não teria tido tempo hábil para confirmar a queda do avião da Gol; e recebe resposta do diretor-executivo de jornalismo, Ali Kamel.

domingo, outubro 15, 2006

Convergência e Jornalismo

(de volta, após intensos dias de compromissos e descansos desconectados)

Ensaio Desmitificando la convergencia periodística, publicado por José Alberto García Avilés na revista Chasqui, do Centro Internacional de Estudios Superiores de Comunicación para América Latina (CIESPAL), discute os efetivos impactos da convergência digital sobre as práticas jornalísticas, principalmente nas redaçoes européias e norte-americanas.

Sua análise parte de algumas possibilidades, bem resumidas aqui:

"Cualquier redacción está orientada a dirigir procesos y personas. En una redacción multimedia, lo importante es la organización, el flujo informativo, las directrices para encauzar el proceso, desde el momento en que surge la noticia, a lo largo de todas las decisiones que se adoptan. La experiencia de numerosos casos de convergencia muestra que la redacción multimedia se basa al menos en tres pilares:

  • Rediseño de la estructura física y organizativa de la redacción.
  • Cambio de mentalidad por parte de los periodistas y directivos.
  • Uso intensivo de la tecnología multimedia en el trabajo periodístico."
A prática, no entanto, mostra que ainda há grande dificuldade em implementar e principalmente legitimar esse modelo de trabalho e que os jornalistas têm acumulado cada vez mais tarefas, sem remuneração extra, sobrando pouco tempo e espaços para experimentação de novas linguagens.

Vale especialmente a leitura da sequência de Mitos e Realidades levantada por Avilés.

segunda-feira, outubro 02, 2006

A internet no século XXI, por Vicent Cerf

Um dos criadores do protocolo TCP/IP (portanto, responsável direto para transformação da internet numa rede mundial de computadores), Vicent Cerf fala sobre temas como O poder do IP e banda larga e Mobilidade e dispositivos móveis em vídeos disponíveis para download no site do Comitê Gestor da Internet no Brasil. A palestra Tracking Tracking the Internet
into the 21st Century foi proferida em junho deste ano.

A dica veio do blog Tecnologias, Comunicação e Sociedade.

Entrevista colaborativa

Foi publicada hoje a primeira entrevista coletiva/colaborativa organizada pelo site JW, coordenado pelo Mario Cavalcanti.

A sabatinada foi a editora do site Globo Online, Joyce Jane. Em um dos trechos mais interessantes, ela falou do planejamento de cobertura multimídia:

"
Com a tecnologia na mão, a nossa questão passa a ser cultural, de treinamento e de planejamento. Os jornalistas passam a ter que pensar sua pauta já como um "complexo" de mídias. Ao sair para fazer um perfil, além dos tópicos que serão abordados na entrevista, você já pensou e organizou a produção de um vídeo, listou e buscou áudios que ilustrarão o material a ser publicado, ou selecionou e organizou fotos de arquivo que ilustrarão a história do entrevistado. Essa riqueza de conteúdo, associada à interatividade, é o que define a Internet."

Participamos da entrevista com uma pergunta sobre a oferta e utilização de novos serviços como podcasting, RSS, alertas, blogs e acesso por PDAs.

Se a entrevista fosse hoje, me ateria ao canal de "jornalismo cidadão", Eu repórter. Me incomodou muito a necessidade de cadastro inclusive para leitura das matérias (não conheço outro site do gênero tão exigente), ao mesmo tempo intriga a tentativa de dar uma cara mais local aos textos publicados, ao contrário de similares como o Minha Notícia, do IG, que praticamente tem se resumido a adaptações de temas da grande imprensa.