domingo, julho 31, 2005

Privacidade online - Vida Pessoal

“Privacidade na internet? Esqueça isso. Você já perdeu sua privacidade para sempre”. A frase do presidente da Sun citada por Castells assusta e nos faz pensar. Os e-mails indesejados que recebemos, a exposição (muitas vezes espontânea) de detalhes pessoais na internet ou os riscos de ter o computador pessoal invadido são exemplos dos limites pouco definidos entre público e privado. O que aconteceu? Como se defender?

O artigo Privacidade da informação na internet: ausência de normalização, de Adriana Gaetner e Helena Pereira da Silva, discute o problema no Brasil, destacando a atuação do sites de Comércio Eletrônico, que possuem cada vez mais preciosos dados sobre cada um de nós.

Também recomendo o texto A Ética Comunicacional na internet, de Dênis de Moraes. Ele discute como a diferença sobre o que é permitido e o que é abuso depende da aceitação das comunidades virtuais, numa negociação que exige postura e participação de todos os membros.

Os artigos Flogs, Blogs e Orkut - Auto-exposição na Internet oferece riscos? e Sexo, traição e internet trazem interessantes argumentos da psicóloga Luciana Ruffo, do Núcleo de Pesquisa da Psicologia em Informática da PUC/SP.

Para mostrar que a internet tem sim limites impostos pela lei, a advogada Patrícia Peck aponta os Aspectos legais de blogs, comunidades e boatos.

Para não escancarar sua intimidade, cada vez mais pessoas evitam a auto-exposição, principalmente no site Orkut. Vejam a reportagem Cansados de espionagem virtual, internautas cometem orkuticídio e o relato Cometi orkuticídio.

Dicas de como se proteger e evitar problemas?

Saiba Como evitar penetras em sua festa no Orkut, veja como se proteger no site Internet Segura e visite a recém- lançada Cartilha de Segurança para internet.

Pesquisa de campo

Procurem identificar pessoas que considerem-se vítimas da exposição, voluntária ou não, de informações pessoais na internet. O que aconteceu? O problema poderia ter sido evitado? Que tipo de precauções as pessoas devem ter para não tornar-se vítimas de excessos na internet?

Movimentos Sociais - O mensalão via internet

Movimentos Sociais - O mensalão via internet

Foi-se o tempo em que as grandes passeatas eram a forma mais convincente de reivindicação política. Os protestos hoje não fazem barulho ou ocupam ruas: acontecem através das redes, sem reuniões físicas, mas muitas vezes são igualmente influentes. O que mudou na nossa participação política?

O texto Comunicação virtual e cidadania: Movimentos sociais e políticos na Internet, de Dênis de Moraes, mostra as características das apropriações pelos movimentos sociais e apresenta exemplos interessantes.

Como nossa proposta aqui é acompanhar o escândalo do mensalão e suas repercuções na internet, a matéria Mobilização contra a corrupção é intensa na Web é uma boa introdução ao tema. Como evitar que tudo termine em pizza? Contra a corrupção, internet, propõe Marcelo Tas.


Já fizeram uma petição virtual para pedir o impeachment de Lula, já assinado por mais de 2 mil pessoas. Vale procurar por outros abaixo-assinados no PetitionOnLine.

Chegaram até a propor uma Marcha Virtual até Brasília. Exagero?


O senador Eduardo Suplicy diz ter mudado seu voto na votação pela abertura da CPI dos Correios (logo no início dos escândalos) após ter acompanhado debates em um blog. É interessantímisso o texto E a internet salvou sua alma, publicado originalmente no jornal O Estado de São Paulo. É uma montagem que mistura trechos de uma carta do senador com comentários deixados por visitantes-eleitores no blog.


Os blogs, aliás, têm tido um papel influente na cobertura e debate dos escândalos.

O Blog do Noblat é uma leitura obrigatória para acompanhar política e foi inclusive citado por Roberto Jeffeson em um de seus depoimentos. E foi aqui que o Suplicy leu os comentários citados acima.


Escondido em casa após fazer declarações bombásticas, o deputado Roberto Jefferson teve sua vida pessoal acompanhada por um suposto Vizinho do Jeffeson.


O prefeito do Rio e pré-candidato à presidência em 2006 criou o blog do César Maia para comentar os fatos. A iniciativa não foi bem aceita: leia a matéria Críticas reais feitas a um prefeito virtual
(é necessário se cadastrar para ter acesso).

Amigos do José Dirceu também criaram um blog e foram igualmente atacados pela comunidade virtual.

Seguindo a onda, até Marcos Valério pretende criar o seu blog.


Pesquisa de campo:

Até que ponto estas manifestações e debates virtuais influem nos processos políticos? São uma nova eficiente de protestar ou fruto do nosso comodismo?


Acompanhem via internet as próximas repercussões, certamente haverá novidades.


Procurem outras informações, visitem o site da Câmara dos Deputados e as páginas dos deputados, enviem um e-mail de teste para ver se alguém responde...


Divisão Digital - Desafios e projetos

A Exclusão Digital é possivelmente o mais sério e desafiador problema da Sociedade em Rede. Há um consenso entre estudiosos de que não podemos esperar a inclusão social acontecer para investir na digital, inclusive porque o exercício da cidadania hoje passa pela internet.

A Inclusão Digital não é apenas acesso à informática. É preciso compreender a lógica e possibilidades do computador, o que permite uma participação ativa e consciente na rede das redes.

Dois textos interessantes discutem este problema: Repensando a Exclusão Digital relata como grandes investimentos financeiros em tecnologia no exterior resultaram em fracassos, e Comunicação, via de mão dupla destaca a importância dos novos “incluídos” participarem ativamente nos espaços de debate e produção existentes na internet.

A Fundação Getúlio Vargas fez há algum tempo uma importante pesquisa chamada Mapa da exclusão digital.

Vários projetos tentam atacar este problema. O Comitê para Democratização da Informática , por exemplo, é projeto modelo para vários países.

A Inclusão Digital é uma das prioridades do Governo Federal, que está investindo em alguns projetos, como Computador para todos, PC Conectado e Gesac. Procurem informações sobre eles...

Em Belo Horizonte, destacam-se projetos da ONG Associação Imagem Comunitária
e a rede.lê, que tem um dos telecentros mais ativos da cidade instalado no Centro Cultural da UFMG.

Pesquisa de campo:

Procurem conhecer os projetos linkados acima e, se possível, visitar pessoalmente os existentes em BH. Como eles funcionam? São apenas laboratórios de informática ou novos locais de exercício da cidadania?

Na visão do grupo, quais são as grandes dificuldades para uma verdadeira inclusão de todos no universo digital? Debatam os conceitos...

Sociabilidade virtual - Orkut

Orkut: entre o ódio e a cordialidade

Comunidade é uma das palavras de ordem na internet hoje. Com a facilidade de se “fazer amigos” e estabelecer relações, todos procuram seus pares, exibindo aos outros o que Castells chama de “portfólio de sociabilidade”. Um suporte exemplar para esta sociabilidade é o Orkut, site de comunidades especialmente popular no Brasil.

Porque existe tanto brasileiro no Orkut? Ou as Redes sociais e o Homem Cordial é um texto que levanta interessante hipótese. Outro sobre o tema: O homem cordial e o desprendimento brasileiro, publicado no Webinsider.

O que será que o criador do site acha de deste fenômeno? Orkut não entende seu sucesso no Brasil, diz em entrevista à FSP.

Será que esse vício brasileiro não pode limitar nossa vivência no amplo universo aberto pela internet? Em quase-manifesto, acho que sim: Orkut (ou como viver feliz no curral da web).

Como reflexo da nossa complexidade social, o Orkut também abriga idéias não aceitas socialmente, como neonazismo, racismo e pedofilia. O texto Viagem pelo universo do ódio e da intolerância dá pistas sobre este lado obscuro das redes sociais. Outra leitura sobre o tema é Orkut sem lei - Crianças e adolescentes estão na mira dos pedófilos.

Mas por que as pessoas se apropriam de modo tão inconseqüente desta ferramenta? Orkut dá falsa impressão de impunidade, diz promotor de Justiça
(reportagem da Folha de S. Paulo).

Tamanha exposição pessoal riscos tem levado alguns usuários a cometer suicídos virtuais: vejam um relato em Cometi orkuticídio.

Pesquisa de campo:

Procurem exemplos de comunidades e membros e identifiquem como acontecem as ligações entre os participantes deste site de relacionamento. Entrevistem usuários.

- É possível "provar" a tese do Homem Cordial?
- Conceitos apresentados por Castells podem ser identificados aqui?
- Como os opostos (cordialidade e intolerância) convivem no site?
- Qual a posição do grupo sobre este site de relacionamento?

domingo, julho 10, 2005

Privacidade online - Empresas

A implementação de ferramentas das novas tecnologias nas empresas trouxe um grande debate sobre os limites entre público e privado. Até que ponto as ações de um funcionário na internet podem (ou devem) ser monitoradas pelas empresas, que andam muito preocupadas com a perda de produtividade e com o vazamento de informações estratégicas? Teria o funcionário o direito de usar parte de seu tempo para atividades pessoais, ou ao menos a liberdade de não ter cada ação fiscalizada?

Sobre o uso do correio eletrônico fornecido pelas empresas, pesquisa indica que 36% das empresas americanas monitoram e-mail.

A última decisão judicial favorece as organizações: TST admite rastreamento de e-mail por empresa. Esta situação levanta importantes discussões éticas, apresentadas na reportagem Monitoramento de e-mails deve ser avisado.

Além dos problemas legais, o uso do e-mail pode trazer sérios problemas de relacionamento interpessoal nas empresas, como apontam estas duas reportagens: E-mails demais deixam chefes mais grosseiros e E-mail de chefe faz mal à saúde, diz estudo.

Quanto ao uso de internet no trabalho, pesquisa aponta que o Brasileiro é mais comportado no uso da rede da empresa. Será que os dados são confiáveis?

Pesquisa de campo:

Procurem identificar como essa questão está sendo tratada hoje em alguma empresa, conversando inclusive com funcionários... Que situações eles já teriam presenciado ou vivenciado? Será que a política adotada visa punir ou ameaçar os funcionários, ou há uma tentativa de orienta-los quanto aos benefícios e limites do uso das ferramentas tecnológicas? Como a diretoria encara o problema?

Sociabilidade virtual - Blogs

Blogs e comunidades virtuais

Ferramenta de fácil manuseio técnico, os blogs são hoje um marco da revolução comunicacional em curso via internet. Como já vimos, existem blogs sobre os mais diferentes assuntos, de diários pessoais a relatos de tragédias com a passagem do Furacão Katrina pelos EUA. Para entender o fenômeno dos blogs, uma boa introdução é o texto Blog é coisa séria, já recomendado por aqui.

Uma características marcantes é a facilidade (e necessidade) de formação de comunidades virtuais, que aproximam pessoas com interesses comuns. Este texto é uma boa introdução ao tema: Weblogs, webrings e comunidades virtuais, de Raquel da Cunha Recuero]

É importante também a leitura das entrevistas do especial Weblogs: narrativas do eu e novas experiências de informação, especialmente a do argentino José Luis Orihuela (material elaborado pela Unisinos).

Este post é curioso: O blog começa a lhe fazer mal quando...

E o que acontece quando blogueiros morrem? A reportagem Blogs de Pessoas Mortas, de Alexandre Cruz Almeida, traz relatos impressionantes.

Pesquisa de campo:

Visitem blogs pessoais e procurem analisar como acontecem as interligações entre eles.

Para localizar blogs, acesse o site Technorati e digite um tema de seu interesse. Ele faz buscas apenas dentro de blogs e vai lhe permitir encontrar comunidades dos mais diferentes temas.

Reparem nos comentários, nos links fixos (normalmente à direita do blog), procurando compreender a lógica de formação das comunidades. Façam contato com os blogueiros, entrevistem-os...